Comprar pessoasmente ou on-line?
Para encarar a concorrência da internet, muitas lojas têm reduzido seus preços, mas o número de pessoas que prefere comprar on-line aumentou drasticamente nos últimos 12 meses, como ficou evidente na Black Friday, a última sexta-feira de novembro, quando, importando uma tradição americana, os comerciantes oferecem artigos com descontos. Enquanto o centro de Londres estava praticamente vazio na Black Friday, as vendas on-line se multiplicavam.
Esse mês, as vitrines das grandes lojas foram redecoradas para o Natal e como às quatro da tarde já começa a escurecer, a iluminação com temas natalinos das ruas mais movimentadas deve atrair mais público, mas a tendência de comprar on-line não deve ser afetada. O motivo é simples: qualquer produto adquirido on-line ou encomendado por telefone pode ser devolvido em 14 dias pelo simples fato de o consumidor ter mudado de ideia. Se você se arrepender, basta devolver o produto e pedir o reembolso. O prazo de 14 dias - chamado de “cooling-off period” - começa a contar a partir da data da entrega. CDs, DVDs e softwares também podem ser devolvidos, desde que o selo não tenha sido violado. Exceções: flores, alimentos e artigos que deterioram rapidamente, além de artigos personalizados, que tenham sido confeccionados sob medida para um determinado cliente.
Com o cooling-off period, o consumidor não tem mais aquele receio de comprar algo e se arrepender ao receber o produto pessoalmente. Se na tela do computador você achou bonito um par de sapatos mas ao tirá-lo da caixa notou que ele não é tão bonito assim, basta enviar um comunicado ao comerciante mencionando o Consumer Contracts Regulations 2013 e pedir para o produto ser coletado.

Caso tenha dificuldade para redigir em inglês, você pode copiar o texto abaixo e editar colocando os dados da compra no lugar do texto que está em português entre parênteses:

Dear Sir / Madam,

The Consumer Contracts (Information, Cancellation and Additional Charges) Regulations 2013

On [data em que o produto foi feito on-line] I ordered the following: [descrição do produtol]

I received the goods on [data em que o artigo foi entregue]

Under the above Regulations, I would like to cancel the order and ask you to confirm that you will not be claiming any payment.

Please contact me within 14 days to arrange collection/return of the goods.

Yours faithfully,

Durante os 14 dias que sucedem a entrega do produto, mesmo que você contate a loja por telefone e eles aceitem sem problemas a devolução, é sempre bom enviar o comunicado por escrito para maior segurança. Não há necessidade de mencionar o motivo da devolução.
A coleta do artigo deve ser feita também em 14 dias, a contar da data em que você comunicou sua intenção de devolver o produto e o comerciante deve reembolsar também o custo da entrega.
Se você optou por uma entrega especial (express delivery), o comerciante pode cobrar de você somente a diferença entre o custo da entrega especial e o valor da entrega comum.
Outro receio que as pessoas tinham de comprar on-line na época do Natal era que o produto não fosse entregue na data prometida. Como a lei agora dá ao consumidor o direito de cancelar o pedido se a entrega não for realizada no prazo combinado, a maioria dos comerciantes empenha-se em entregar na data prevista para não correr o risco de perder a venda.
Mas atenção: se você comprar algo por telefone ou pela internet de uma pessoa física (no e-bay, por exemplo), a regra do “cooling-off period” não se aplica. A lei não é válida para indivíduos, ela só dá o direito de devolução em 14 dias quando a venda é realizada por comerciantes, empresas e pessoas jurídicas.


Se a compra for feita pessoalmente e você se arrepender, vai depender das regras da loja, já que nesse caso a lei não obriga o comerciante a aceitar devolução sem motivo justo. Mas, para concorrer com a internet, cada vez mais lojas passaram a oferecer o direito de devolver o produto sem justificativa.
Algumas estipulam um prazo de 14 a 30 dias, desde que o produto não tenha sido usado. As condições para devolução geralmente são impressas no recibo, mas você deve se informar sobre as regras antes de pagar, pois como se trata de uma iniciativa não imposta pela lei, o comerciante só tem obrigação de aceitar a devolução sem motivo justo se você tiver evidência de que esse direito foi oferecido no ato da compra.


 

Caso o produto apresente algum defeito ou não corresponder à sua descrição, tanto faz se a compra foi feita pessoalmente ou não, o consumidor tem o direito de devolvê-lo e ser reembolsado.
A lei de proteção ao consumidor na Inglaterra e no País de Gales mudou em outubro passado, com a introdução do Consumer Rights Act 2015, que estipula um prazo de 30 dias para que o produto seja devolvido em caso de defeito ou descrição enganosa do artigo.
Antes da nova lei, o direito ao reembolso no caso de devolução por motivo justo já existia, mas como não havia um prazo específico para o reembolso, muitas vezes o consumidor era obrigado a ficar cobrando para receber o dinheiro de volta.


Cartão de crédito, de débito, paypal ou store card? As diferenças podem parecer sutis, mas são enormes…
Na hora de pagar uma conta, muitas lojas cobram uma pequena taxa para aceitar cartão de crédito e é tentador optar por cartão de débito ou pagar via PayPal para economizar umas libras. O que muita gente não sabe é que de acordo com o Consumer Credit Card Act 1974, quando você paga qualquer conta de £100 a £30 mil com cartão de crédito britânico, se algo der errado seu dinheiro está protegido, já que a empresa que emitiu o cartão de crédito é tão responsável pela qualidade do produto ou do serviço prestado quanto o comerciante ou o fabricante.
Se, por exemplo, você comprar um produto pela internet de um comerciante que desaparecer, vai ser muito mais fácil reaver o dinheiro se pagar com cartão de crédito. Mesmo que comprar pessoalmente, se a loja fechar, pagando com cartão de crédito por valores acima de £100, caso encontre algum defeito no produto, você pode recorrer também ao emissor do cartão.
E quem paga com cartão de débito, tem alguma garantia? Na teoria sim, mas na prática a situação fica bem mais difícil: existe um sistema de reembolso que poucas instituições financeiras reconhecem. Chama-se “Chargeback”, mas não se surpreenda se você pagar com cartão de débito por algo defeituoso ou a loja falir e não entregar o produto, e quando você mencionar “Chargeback” o seu banco disser que isso não existe.
O Paypal parece muito prático, mas não oferece proteção nenhuma para quem for lesado por um comerciante ou prestador de serviço. Na propaganda eles dizem que o PayPal é o método de pagamento mais seguro porque o consumidor não precisa fornecer os dados do cartão de crédito online. Pode ser seguro sob o ponto de vista de fraude na internet, mas apesar do PayPal debitar o seu cartão de crédito, a partir do momento em que você usa esse método intermediário de pagamento, você perde a proteção que é garantida por lei a quem paga diretamente com o cartão de crédito.
Existem ainda os store cards, cartões fornecidos por lojas de departamento.
Eles são tentadores porque as lojas que os emitem oferecem descontos para quem pagar as compras com eles, mas na maioria dos casos, eles só oferecem vantagens para quem paga a conta do cartão à vista ou dentro do prazo em que não são cobrados juros (normalmente dois meses após a compra).
Quem paga o saldo do cartão em prestações, é penalizado com uma taxa de juros absurda, muito maior do que os descontos oferecidos.


Tesco & Sainsbury’s: cuidado com "Express"
Os grandes supermercados costumam ter as melhores ofertas para produtos alimentícios, mas é bom não se entusiasmar muito quando se vê o logo do Tesco na fachada de um supermercado, achando que tudo ali é mais barato. Os preços mais baixos do Tesco não são os mesmos da rede Tesco Express, que pertence ao mesmo grupo e usa o mesmo logo, mas pode cobrar mais por um mesmo produto. O Sainsbury’s segue a mesma estratégia do concorrente com a rede Sainsbury’s Local, ou seja, a palavra “local” no logo indica que naquela filial você pode pagar mais do que no tradicional supermercado.
Não é nada, não é nada, mas se você quiser economizar ao abastecer sua casa para o Natal, não confunda o supermercado grande com suas filiais locais. Outro detalhe importante: checar se vale realmente a pena encher seu carrinho de compras com produtos anunciados como “ofertas”, muitos descontos são falsos. No Little Waitrose, por exemplo, uma vez colocaram o preço de um quilo de arroz basmati valendo mais do que o dobro do que o pacote de meio quilo, ou seja, saía 20% mais barato comprar dois pacotes de meio quilo do que o pacote de um quilo. Para saber qual a melhor opção verifique a linha abaixo do preço, que discretamente informa o valor de 100 gramas do produto, assim fica mais fácil saber qual a melhor oferta sem precisar de uma calculadora. A rede de lojas Marks & Spencer também tem algumas promoções que somente são encontradas em lojas maiores. São artigos que contém os dizeres “oustading value”. O problema é algumas filiais do Marks & Spencer parecem grandes, mas não oferecem as mesmas promoções, que sempre são encontradas em filiais com mais de um andar. A loja que fica em Holloway Road, por exemplo, parece enorme mas não tem as mesmas promoções oferecidas na filial de Islington, que ocupa vários andares.